Criticas

Crítica: Pânico 6 | Quando nem mesmo a metalinguagem é o suficiente

Pânico é conhecido por justamente quebrar os clichês e explorar os conceitos do terror “slasher”. No primeiro filme já vemos isso, e acompanhamos a temática durante toda a franquia. Através dos conceitos do gênero, a franquia foi capaz de explorar os maneirismos de cada geração, e sem dúvida a franquia foi além disso, criando um personagem emblemático do cinema. Quando chegamos no quinto filme da franquia, vemos em como eles desenvolvem o tema da nostalgia no enredo. A ideia de trazer os personagens de volta, e também um estudo em cima desse apego à fantasia surreal. Trazendo a franquia de

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Homem-Formiga e a Vespa – Quantumania | Uma nova fase com os mesmos erros

Homem-Formiga: Quantumania é o primeiro filme da nova fase da Marvel. Nela teremos a sequência de eventos que antecedem as Guerras Secretas. E apesar do personagem ser relativamente raso, os fãs ainda o apoiam. Indo além disso, ele possui grande potencial para desenvolver histórias interessantes. Desde os quadrinhos temos as mais diferentes histórias com o personagem, mas infelizmente não vemos isso aqui. No filme vemos Scott Lang após os eventos de Ultimato. Sua vida caminha muito bem, se tornando uma pessoa famosa pelos seus atos, mas sua família ainda lida com as dificuldades dos cinco anos ausentes pelo “blip”. E

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Gato de Botas 2 – O Último Desejo | Dreamworks provando que ainda sabe contar uma boa história

Gato de Botas 2: O Último Desejo é um projeto que está há anos no papel, tendo seu primeiro filme sido lançado em 2011. Projetos como esse, quando veem a luz do dia, trazem uma expectativa que na maioria das vezes não é atendida. A diferença aqui, é o resultado final e o momento pelo qual a Dreamworks está passando. O estúdio até 2022, passava por uma certa ausência no cinema. Focando em projetos para streaming, era visível que não tínhamos todo o potencial de suas marcas liberadas. Mesmo os projetos para o cinema como Poderoso Chefinho 2, havia uma

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Ruído Branco | O medo da morte e o anseio pela felicidade

Ruído Branco é um barulho que combina e oscila diferentes frequências com o objetivo de atingir todo o espectro de som para mascarar qualquer tipo de frequência que esteja atrapalhando a pessoa. Constantemente nos encontramos em frente à questão ‘morte’. No seu sentido mais frio e simplista, como também nos níveis mais complexos de seu tema. Entre a maioria das pessoas, ainda há um medo iminente da morte, no seu sentido pessoal. Digo pessoal porque em uma escala maior há uma fetichização da ideia de morte, com programas, notícias e entre outros. E como uma família do suburbano americano lida

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Entergalactic (2022) | Uma verdadeira história de amor

Usando elementos típicos de filmes românticos, Entergalactic entrega uma história de amor envolvente e fácil de nos identificar Histórias de amor podem ser facilmente tediosas, além mostrar situações impossíveis de acontecerem no mundo real. Porém, Entergalactic entrega um romance singelo, honesto e envolvente, de dar inveja em muitos filmes por aí. O especial da Netflix tem direção de Fletcher Moules. O roteiro fica por conta de Kid Cudi que também é o personagem central Jabari, Kenya Barris e Ian Edelman (Uma Lição de Amor). História de Entergalactic Entergalactic nos apresenta Jabari, um artista de rua, que é convidado por uma

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Glass Onion – Um Mistério Knives Out (2022) | Alucinante e divertido

Rian Johnson retorna novamente para sua franquia de mistério com Glass Onion, totalmente sem freios e alucinado

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Avatar 2 – O Caminho da Água | O épico de James Cameron sobre a humanidade e a natureza

Avatar foi um marco para os cinemas. Independente de opiniões, ele se tornou algo que modificou a forma como víamos a captura de movimentos e efeitos especiais. Após isso, o futuro da franquia em si se tornou nebulosa, e acabamos perdendo ela ao longo dos anos. Após a compra da FOX pela Disney, também houve uma certa dúvida da franquia. Sabíamos que James Cameron estava trabalhando arduamente no projeto, mas o projeto em si permanecia incerto. De um lado, tínhamos James Cameron buscando inovar cada vez mais a tecnologia cinematográfica, preparando uma possível franquia de cinco filmes. Já do outro,

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Wandinha – Primeira Temporada (2022) | Divertida, embora nada inovadora

A mais nova produção envolvendo os personagens da família mais peculiar dos cinemas chega na Netflix com trama divertida e envolvente, porém recheada de clichês

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Guardiões da Galáxia – Especial de Natal (2022) | Deliciosamente ridículo

A produção que marca o retorno de James Gunn para a Marvel Studios, é a prova da importância do diretor para a franquia

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>

Crítica: Andor (2022) | A seriedade que Star Wars precisava

Apesar de ser uma série que ninguém estava dando nada, Andor cativa pela construção de personagens, e história cativante, muito embora sacrifique o ritmo para isso

Leia Mais <svg version="1.1" id="Capa_1" x="0px" y="0px" width="10px" height="10px" fill="#4054B2" viewBox="0 0 451.846 451.847" xml:space="preserve"> <g> <path d="M345.441,248.292L151.154,442.573c-12.359,12.365-32.397,12.365-44.75,0c-12.354-12.354-12.354-32.391,0-44.744 L278.318,225.92L106.409,54.017c-12.354-12.359-12.354-32.394,0-44.748c12.354-12.359,32.391-12.359,44.75,0l194.287,194.284 c6.177,6.18,9.262,14.271,9.262,22.366C354.708,234.018,351.617,242.115,345.441,248.292z"/> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> <g> </g> </svg>