Star Wars: A Ascensão de Skywalker está entre nós, trazendo o capítulo final da saga que acompanhamos desde o jovem Luke em Tatooine. Entretanto se Os Últimos Jedi dividiu o público, esse filme sentenciou de vez a nova trilogia como uma saga dividida em opiniões.

Star Wars sem sombra de dúvidas é uma das franquias mais reconhecidas do mundo. Trazendo consigo um grande peso e mudança na cultura pop. Com isso em mente, a Disney buscou ampliar o universo para conseguir uma taxa de lucro muito maior. E o planejado seria a franquia funcionar como a Marvel Studios, tendo uma trilogia principal e diversos spin-offs em volta. Alguns deles seriam os filmes de Obi-Wan e Boba Fett, que infelizmente não prosseguiram adiante.

Tudo estava correndo como planejado. Rogue One fez uma boa bilheteria e a nova trilogia ainda estava dando o que falar. Entretanto com Solo: Uma História Star Wars, as coisas começaram a desandar. Primeiramente com a escolha de ator, até a constante troca de diretores. O filme chegou aos cinemas e fez uma bilheteria muito abaixo do esperado pela Disney.

Com isso a ideia de diversos spin-offs teve uma mudança de planos. Com alguns projetos sendo cancelados e outros se tornando séries para o serviço streaming da Disney. Após isso muito foi discutido sobre a atual presidente da LucasFilm e suas decisões sobre a franquia, mas nada ocorreu.

E agora com o último filme da saga Skywalker lançado, o destino do universo Star Wars nos cinemas parece incerto.

O filme como um todo é divertido e possui uma boa fotografia e cenas de ação. Entretanto ele se perde em tentar emular elementos antigos da história e incluir novos. O filme parece mais uma receita reciclada para tentar reerguer a franquia após o divisório os Últimos Jedi. E em todo momento durante o filme, é claro a sensação de fan service, de cenas sem propósito e personagens desnecessários. E também é claro a deixa de vários ganchos para tentativas de novos spin-offs baseados nos personagens.

Desde O Despertar da Força nós vemos que o fan service estava sendo medido e colocado em seu limite. Tudo bem que talvez não exista um limite para o fan service, entretanto quando um filme, série ou jogo depende somente disso, sua história se torna simplesmente um pano de fundo.

E com o fan service, tivemos o surgimento dos fãs saudosistas e até mesmo extremistas. Onde tais grupos defendem ideias de que “destruíram minha franquia”, “acabaram com o meu filme” e entre outros. Ataques de racismo, machismo e entre outros percorreram as redes sociais, e com isso trazendo uma má fama aos grupos e fãs de Star Wars.

Enquanto isso George Lucas simplesmente vê sua obra sendo redefinida diversas vezes, e por mais que ele tenha falhas, aquele é o seu universo. E infelizmente com a chegada da nova trilogia, perdemos muito do universo expandido criado após a primeira trilogia.

Entretanto ao que parece a Disney agora tentará tomar um novo rumo com a franquia. Passando o bastão dessa vez para Kevin Feige e inserindo elementos da Antiga República, trazendo mais do universo Star Wars e menos do Universo Skywalker.

O futuro de uma das maiores franquias do cinema ainda não foi decidido, mas o que podemos esperar são coisas boas e um futuro próspero. The Mandalorian é um ótimo exemplo disso, e agora devemos somente acreditar na força.