Após diversos adiamentos devido a pandemia, o filme solo da Viúva Negra está entre nós, e traz consigo o final derradeiro da personagem de Scarlett Johansson. Agora que ele está entre nós, vemos uma importante mensagem sendo passada, mas que poderia ter sido feita antes,

O filme traz Natasha como uma fugitiva após os eventos de Capitão América: Guerra Civil, e a partir disso a personagem se vê tendo que enfrentar seu passado ao reencontrar Yelena (Florence Pugh) que está em busca de destruir a sala vermelha, o local de treinamento das Viúvas Negras. A partir disso a dupla começa uma busca pela verdade indo encontrar os personagens Guardião Vermelho (David Harbour) e a Dama de Ferro (Rachel Weisz), enquanto fogem do Treinador.

O enredo do filme acaba não sendo complexo ou tendo muitas reviravoltas durante a narrativa. Algumas vezes é possível sentir que a história está ali para tampar alguns buracos deixados durante os filmes dos Vingadores. Também é visível a limitação que o filme possui por se passar antes dos eventos do Thanos e ter essa trava para se aprofundar em outros elementos.

A interação da personagem Yelena com a Natasha traz um fôlego em diversos momentos para o filme onde temos uma leveza e também uma excelente dinâmica entre as duas atrizes. Os demais personagens como o Guardião Vermelho e a própria Dama de Ferro servem para o avanço da narrativa, mas conseguem manter sua originalidade e também carisma. Em alguns momentos é dado destaque para os conflitos do período da Guerra Fria, o que traz conceitos interessantes mas que acabam não sendo destacados.

O vilão Treinador para a proposta da trama recebe uma adaptação diferente das HQs, que acaba enfraquecendo o personagem para quem já o conhece, mas no final serve para o desenvolvimento da história. Através do enredo em volta das Viúvas Negras, somos apresentados a temáticas envolvendo os constantes abusos que as mulheres sofrem na sociedade e em como isso as afeta. Tendo toques mais realistas, Viúva Negra se preocupa em apresentar esse tema e mostrar de certa maneira um modo de vencer esse vilão que permeia a sociedade.

As lutas do filme são boas, mas básicas e que acabam não tendo tanto impacto. A falta de criatividade nos combates acaba prejudicando os momentos empolgantes do filme tendo em vista que Natasha é uma personagem de combate corpo a corpo. A fotografia do filme funciona para a proposta, tendo claras referências a filmes de espionagem como visto anteriormente em outros filmes como Capitão América 2: Soldado Invernal.

Viúva Negra é um filme que poderia ter ocorrido antes e aberto um espaço para desenvolver a personagem e se universo próprio. Vemos a última história de Natasha que não entrega o melhor filme do MCU, mas nos mostra algo honesto, com o coração da personagem e também nos traz uma importante mensagem.