O MCU está cada vez se expandindo mais, e com as séries do Disney+ podemos ter um olhar mais detalhado em determinados personagens. Anteriormente com WandaVision podemos ver como a personagem lidou com suas questões de luto, e agora com Loki temos a visão de um personagem que tenta buscar seu real propósito em meio a este vasto universo.

Acompanhamos o personagem Loki nessa jornada, entretanto uma versão anterior aos eventos de ultimato. Durante a viagem no tempo dos vingadores, Loki consegue pegar o Tesseract e escapar. Vendo que isso não está de acordo com a linha do tempo, a TVA (Autoridade de Variância Temporal) captura o personagem. Após um julgamento Mobius (Owen Wilson) pede sua ajuda para ir em busca de alguém que está interferindo nas missões da TVA, uma variante do próprio Loki.

Durante os seis episódios da série acompanhamos a jornada do personagem Loki em busca da verdade sobre suas variantes e também sobre as origens da TVA em si. Contudo o grande destaque da série se dá para como seu roteiro é desenvolvido, dando tempo para profundos diálogos e momento simples que fazem a diferença para a narrativa. No primeiro episódio já vemos isso em um diálogo entre os personagens Loki e Mobius sobre o que é liberdade, e por mais simples que pareça vemos essas conversas interferindo na convecção de cada personagem.

A série é capaz de nos tocar através de momentos simples de emoção ou conversa, onde esse tempo é usado para aliviar momentos de tensão ou intensificar determinada situação. Os mistérios em volta da série são bem desenvolvidos, e a revelação final que pode ter desagradado alguns, é previsível e graças ao desenvolvimento da série se torna algo que somente soma ao resultado final.

Todos os personagens da série entregam personas únicas e os atores se dedicam ao máximo para transmitir isso. Tom Hiddleston entrega o seu melhor do personagem Loki, e também temos Sylvie (Sophia Di Martino) que em seis episódios nos faz sentir todas as suas lutas internas e sentimentos. Os demais personagens secundários também são ótimos e graças ao roteiro, nos traz detalhes que tornam eles palpáveis, assim como as demais variantes do Loki.

É necessário também dar o devido destaque para os efeitos da série, que antes em WandaVision tivemos algo contido, agora temos uma megalomaníaca aventura no espaço e tempo do MCU. A série entrega efeitos especiais dignos de um filme blockbuster, que em combinação com a trilha sonora feita por Natalie Holt, trazem momentos épicos e deslumbrantes (Classic Loki pode falar sobre isso). A fotografia e direção também está algo até mesmo nunca visto antes no MCU, com cores vivas e que destacam cada ambiente da série, junto com um universo extremamente bem feito em volta da TVA.

Loki pode ter momentos cansativos que nos fazem perder o ritmo, mas contudo cada momento complementa algo maior para a trama. Uma série que mesmo com aventuras e a fórmula Marvel em si, consegue entregar dilemas sobre luto, traumas, propósito e sobre como definimos quem somos. Kevin Feige está aproveitando seu espaço no Disney+ para trazer em suas diversas formas, as melhores variantes das narrativas em volta do grande Univer… Multiverso Marvel.