Falcão e Soldado Invernal é a nova série do Disney+ que estreou e trouxe seu primeiro episódio com cerca de 40 minutos de duração. Nela vemos como estão os protagonistas após os eventos de Ultimato e também sobre como será abordado o legado do Capitão América e também as novas ameaças que estão surgindo.

No episódio somos apresentados a situação atual do Falcão. O personagem está trabalhando em missões para o governo e em meio a isso ele questiona se merece ou não o escudo do Capitão. Ele então toma a decisão de entregar o escudo para um museu onde em um diálogo com o personagem Rhodes ele afirma que não merece aquele escudo e o símbolo era representado somente pelo Steve.

A forma como é tratado a negação do legado não é algo inédito da série, onde nos quadrinhos o personagem também se negou a aceitar o escudo nas primeiras oportunidades e depois de aceitar, ele vê o próprio EUA negando a passagem de manto. Não tivemos uma profundidade tão grande sendo apresentada nesse primeiro episódio, mas com certeza veremos mais disso nos próximos episódios.

Ele também enfrenta o questionamento em volta da sua família, que sobreviveu ao estalo do Thanos e agora enfrenta as consequências desse novo mundo. E por mais que esse desenvolvimento mais sóbrio em volta da família, e também das questões dele tentar consertar as coisas ser interessante, bem provável de não vermos isso novamente devido a escala que as coisas irão tomar.

Já o Buck agora está tentando se comportar como um civil enquanto tem consultas com uma psicóloga. Os diálogos são divertidos e passam um carisma que nos faz acompanha de forma leve a trajetória do personagem. O personagem agora busca redimir todos os seus erros, indo ao encontro daqueles que ele afetou durante seus anos como Soldado Invernal. Uma resolução clichê, mas plausível para o personagem que se encontra cansado de lutar guerras.

Em meio a isso somos apresentados aos Apátridas, um grupo de extremistas que acredita que o mundo estava melhor durante o período que as pessoas desapareceram devido ao Thanos. A reinterpretação surge de um vilão dos quadrinhos que busca trazer a paz a qualquer custo, estando pronto para matar qualquer um. Na série pelo visto, o personagem será a representação de uma ideia coletiva que poderá estar sendo controlada ou será liderada pelo Barão Zemo que está confirmado na série.

 

 

 

E no final temos a apresentação do Agente Americano. Pelo visto o governo pegou o escudo que foi entregue ao Museu e agora buscar criar seu próprio Capitão América. Provavelmente não teremos o mesmo personagem dos quadrinhos, sendo sarcástico e muito mais um anti-herói. Aqui provavelmente veremos um personagem sendo controlado pelo governo e então tendo que fazer seu papel como “o novo Capitão América”.

 

Como um todo esse primeiro episódio foi ok. Tivemos a apresentação do status atual dos personagens para serem desenvolvidos nos próximos episódios, algumas boas cenas de ação e diálogos. Fora isso o episódio não entrega nada monumental ou que surpreenda a todos.