Em 2014, Uma Aventura Lego estreou em todo o mundo e foi extremamente bem recebido tanto pela crítica especializada, quanto pelo público, que não conseguia parar de cantar “Tudo é Incrível”. Também eram frequentes os comentários de pessoas  dizendo que saíram das sessões com uma vontade imensa de comprar um balde de lego e reviver os velhos tempos. Em pleno início da moda recém-inaugurada de universos compartilhados, graças ao sucesso da Marvel, a Warner Bros entrou num frenesi e divulgou aos seus investidores naquele ano o intuito de expandir as franquias da DC Comics, Harry Potter e, claro, Lego.

É até estranho observar como hoje, quase cinco anos depois, o resultado da empreitada não correspondeu bem ao que se esperava dela e, atualmente, cada franquia se encontra na respectiva situação: O universo compartilhado da DC não existe mais; Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald, segundo derivado de Harry Potter, pode ter prejudicado seriamente a franquia com a sua recepção no máximo morna, tendo em vista os quase US$ 200 milhões de diferença de arrecadação entre o Animais 1 e 2. Se não fizerem ajustes, não passa do próximo; já o universo Lego certamente também precisa de uns ajustes depois do que ocorreu nos últimos anos.

Embora sua situação não seja tão drástica, a recepção de Uma Aventura Lego 2 foi mais do que o suficiente para emitir um sinal vermelho a Warner (apesar das críticas muito boas). Para efeitos de comparação, o primeiro filme estreou com US$ 69 milhões de dólares nos EUA, e, ao todo foram US$ 469 milhões arrecadados no mundo inteiro. Apesar da expectativa de US$ 50 milhões na estreia, o segundo longa estreou nos EUA com menos da metade da abertura do original, arrecadando apenas US$ 34 milhões. Aqui no Brasil a empolgação passou longe também, resultando em míseros R$ 2.4 milhões durante o primeiro final de semana no BR, atrás de filmes que já estavam há semanas em cartaz. Diante desse cenário, tentamos entender os motivos por trás. A lista a seguir destaca os fatores:

 

1 – O público adulto não se mostrou interessado num segundo filme

 

Insiders da Warner acreditam que a falta de interesse do público mais velho foi um fator importante para a arrecadação abaixo da esperada. Os brinquedos Lego desempenharam um papel relevante na infância de muitos, o que fez com que o primeiro filme fosse beneficiado pelo fator nostálgico, atraindo mais pessoas de variadas idades. Quando o segundo longa foi lançado, já não havia mais esse apelo e o filme foi recebido pelo público como um longa tradicional para as crianças. De acordo com a Variety, 41% do público pagante de Uma Aventura Lego, em 2014, tinha idade inferior a 18 anos. Em 2019, a continuação atraiu 47% de espectadores desta mesma faixa etária. Ainda segundo a revista, o fato de Uma Aventura Lego 2  ter um apelo maior com o público infantil pode beneficiar o longa a partir da semana que vem, no feriado do Dia do Presidente.

 

2 – Concorrência e mais concorrência

Apesar das esperanças da Warner de que o filme se saia bem entre a criançada nas semanas a seguir, é difícil que o longa ganhe fôlego com o tempo, já que tem concorrência pesada nas semanas seguintes, com as estreias de Como Treinar o Seu Dragão 3, da Universal, e Capitã Marvel, da Disney.

 

3 – Desgaste da marca

Analistas da indústria apontam os lançamentos dos derivados Lego Batman e Lego Ninjago, ambos em 2017, como motivo de preocupação. O primeiro, lançado no começo daquele ano, estreou com US$ 53 milhões e arrecadou US$ 311 milhões mundialmente, um valor respeitável. Já Ninjago estreou alguns meses depois e passou longe dos sucesso dos demais, sendo recebido com críticas divisivas e estreando com apenas US$ 20 milhões, a menor abertura da franquia. Para piorar, o longa arrecadou ao todo apenas US$ 123 milhões de dólares, mostrando a Warner, do jeito mais difícil, que eles talvez tenham exagerado quando decidiram lançar dois derivados da franquia no mesmo ano. Para especialistas em bilheteria da indústria, o lançamento de ambos os filmes em um período pequeno de tempo foi demais para o público, fazendo com que a sensação de “Nossa, outro filme do lego?” fosse inevitável. Os derivados não foram tão bem recebidos entre o público da mesma forma que o original foi, o que só ajudou a minar a recepção para o próximo.

 

4 – Orçamento mais alto do que o necessário

Uma Aventura Lego 2 teve o maior orçamento da franquia até o momento: US$ 100 milhões de dólares, segundo estimativas. US$ 40 milhões a mais do que o original. Outras animações recentes, como Hotel Transilvânia 3 e Os Incríveis 2, também tiveram um orçamento mais alto em relação aos seus respectivos originais, porém, a bilheteria internacional de ambos os filmes justificou o aumento no orçamento. Já no caso de Lego, os filmes fazem mais sucesso dentro do mercado americano do que fora dele. Uma Aventura Lego 2, inclusive, estreou com apenas US$ 18 milhões de dólares no mercado internacional, ou seja, quase metade do valor arrecadado apenas nos EUA durante o mesmo período.

 

Fontes: Variety e Box Office Mojo