Essa lista chega com atraso, mas não poderia deixar de ser feita. Chegou a hora de fazer a nossa tradicional respectiva do ano, elegendo quem se deu bem e quem se ferrou em 2019. Confira a nossa lista:

Vencedores : Robert Pattinson

O ator inglês que ganhou fama mundial como ídolo teen, há muito deixou essa marca para trás e agora vem se dedicando a projetos menores, a fim de mostrar sua versatilidade como ator. Teve aclamação em Cannes com a exibição de O Farol, do diretor Robert Eggers (A Bruxa), foi escolhido como o novo Batman e interpretou um personagem importante em Tenet, do Christopher Nolan, que estreia em 2020. Ele também conseguiu a proeza de estar num drama medieval da Netflix que não foi apedrejado pela crítica (O Rei).

 

Perdedores: Kristen Stewart

Aproveitando o gancho, por que não falar logo de Kristen Stewart? Ao contrário do colega aí de cima, ela só entrou em furada nesse ano. Ela estreou dois longas com recepção crítica fraca – JT LeRoy e Seberg. Esse último, aliás, só não vai para a minha lista de Oscarbaits fracassados do ano porque eu duvido que a Amazon tenha visto qualidade o suficiente no longa, quando o comprou para o seu catálogo (se fosse aclamado, eles teriam lançado de outra forma). O outro filme estrelado por ela – As Panteras – foi um retumbante fracasso comercial.

 

Vencedores: Scarlett Johansson

Que ano para a Scarlett, hein? Emocionou os fãs em Vingadores: Ultimato, esteve no elogiado Jojo Rabbit, dirigido por Taika Waititi e, de quebra, corre risco de ser indicada ao Oscar pela primeira vez, com História de um Casamento. Como se não bastasse, ainda filmou o primeiro longa solo da Viúva Negra, que estreia em abril do ano que vem.

 

Perdedores: Michael Fassbender

Excelente ator, mas um dedo podre para escolher projetos. Desde que foi indicado ao Oscar de melhor ator por Steve Jobs (2015), nunca mais estreou um filme que tenha sido sucesso comercial ou elogiado pela crítica. A desse ano foi a bomba Fênix Negra, que só deu prejuízo a Fox.

 

Vencedores: Chris Evans

Chris Evans teve um ótimo ano, no qual deu encerramento ao seu arco como Capitão América em Vingadores: Ultimato e integrou o elenco do excelente Entre Facas e Segredos. Nem a bomba da Netflix, Missão no Mar Vermelho, conseguiu estragar.

Perdedores: Kelly Marie Tran

Esse é o maior projeto da vida dela até então, mas por causa da covardia da Disney, foi relegada a mera figurante às custas da própria coesão da história geral da trilogia. Ora, a Rose foi inútil em O Último Jedi? Foi, mas ela criou uma relação com o Finn nesse filme, que, em nome da coesão, merecia ter um encerramento apropriado na terceira parte. Já que ela estava lá, o mais sensato seria dar continuidade ao arco dos dois e não enfiar uma personagem qualquer (que a gente nem se importa pois mal a conhecemos) para ser par romântico dele no último filme. Aí gente como o Scorscese vê essas coisas, diz que isso não é cinema e o nerd fica irritado.

 

Vencedores: Adam Driver

Corre risco de ser indicado pela primeira vez ao Oscar, com História de um Casamento; estrelou a Ascensão de Skywalker e, embora o filme tenha desagradado muita gente, pelo menos ganhou aclamação como sexy symbol (sabe-se-lá porquê, mas tudo bem).

 

Perdedores: MIB – Homens de Preto

No final dos anos 90, MIB – Homens de Preto fez bastante sucesso e muita gente o assistiu diversas vezes na Globo. O sucesso rendeu uma continuação inferior em 2002 e um ótimo filme em 2012 (mas que o resto do mundo não gostou tanto assim). Em 2019, a Sony decidiu fazer um reboot da franquia com Tessa Thompson e Chris Hemsworth nos papeis principais e o que parecia ser ótimo no papel, acabou não dando certo. O filme é extremamente sem sal e fracassou nas bilheterias, faturando apenas US$ 253 mi com um orçamento de US$ 110 mi. A química entre Will Smith e Tommy Lee-Jones, que sustentava a franquia, não é repetida aqui, mas esse não foi o único problema: Segundo o Hollywood Reporter, o executivo da Sony que tomava conta do filme saiu do estúdio e não foi substituído. A falta de gerência gerou conflitos entre o diretor F. Gary Gray e o produtor Walter Parkes, que possuíam visões criativas completamente diferentes, resultando em diversas alterações no roteiro. Parkes chegou a rodar algumas cenas sem o conhecimento de Gray, que tentou largar o trabalho e só decidiu ficar porque a Sony o convenceu.

 

Vencedores: The Rock

Depois de protagonizar fracassos em 2018, o ano passado teve um saldo positivo para Dwayne “The Rock” Johnson. Além de protagonizar Hobbs & Shaw, derivado da série Velozes e Furiosos que teve uma arrecadação boa no exterior (algo esperado nessa franquia, já que os filmes perderam popularidade nos EUA), ele também causou barulho no festival de cinema de Sundace no começo do ano, com o drama Lutando pela Família, o primeiro projeto de sua produtora Seven Bucks voltado para o cinema “de arte”, ao invés dos blockbusters de sempre, protagonizados pelo dono da empresa.

 

Perdedores: Natalie Portman

Desde Aniquilação que a Natalie Portman não emplaca um sucesso de crítica e o oscarbait protagonizado por ela – Lucy in the Sky – falhou miseravelmente.

Vencedores: Netflix

O serviço de Streaming está em peso nas premiações deste ano com nada menos do que três filmes. São eles: O Irlandês, de Martin Scorscese; História de um Casamento, de Noah Baumbach; e Dois Papas, de Fernando Meirelles. Acho que nenhum estúdio tem tanta presença nas premiações este ano como a Netflix. (Aliás, falando em Baumbach, a esposa dele – a Greta Gerwig – provavelmente deve concorrer no Oscar com a sua versão de Adoráveis Mulheres).

Perdedores: Tom Hooper

O diretor ganhou o Oscar por O Discurso do Rei e fez muito sucesso com o premiado musical Os Miseráveis, em 2012. Em 2019, ele decidiu mirar novamente no Oscar, mas acertou no Framboesa de Ouro com a adaptação para os cinemas do musical Cats.

Vencedores: Disney e Marvel

Tirando Dumbo e Malévola 2, todos os filmes da Disney chegaram ao bilhão. Todos. Um feito impressionante do estúdio, que sabe usar a nostalgia como ninguém. Essa também foi a primeira vez que todos os filmes lançados pela Marvel no mesmo ano chegaram a marca bilionária, algo que também beneficiou a Sony (Homem-Aranha: Longe de Casa).

 

Perdedores: John Cena

Depois de chamar atenção em 2018 com a comédia Não Vai Dar, em 2019 sua passagem pelos cinemas foi discreta, tão discreta que poucos notaram que sua comédia Brincando com Fogo estava em cartaz.

 

Vencedores: Brad Pitt

Tudo bem que Ad Astra foi um fracasso comercial, porém vamos reconhecer que é o tipo de filme que o público em geral não gosta de pagar para ver, portanto este flop era esperado. Mas para Pitt o longa foi mais um projeto elogiado para a sua filmografia, ao lado de Era Uma Vez em Hollywood, que pode lhe render uma indicação ao Oscar.

 

Perdedores: Paramount Studios

O estúdio teve um 2019 para esquecer. A sua maior bilheteria no ano – O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio – também foi um fracasso retumbante, custou US$ 200 mi para produzir e arrecadou US$ 261 mi apenas. Outro filme caro – Projeto Gemini –  também deu prejuízo a Paramount. Com o fracasso de seus blockbusters, o estúdio teve que se contentar com a recepção morna de filmes menores, como é o caso de Rocketman, cuja campanha para o Oscar não parece ter tanta força, apesar do óbvio esforço da Paramount.

 

Vencedores: Florence Pugh

Além de protagonizar Midsommar, ela também chamou a atenção com Adoráveis Mulheres, um dos longas que promete ser uma presença forte no Oscar. Fora isso, ela tem um papel importante no aguardado filme da Viúva Negra.

 

Perdedores: Jennifer Hudson

Jennifer Hudson já ganhou Oscar de melhor atriz coadjuvante por Dreamgirls, mas hoje em dia o dedo para escolher bons projetos apodreceu e ela só tem entrado em furada, a última foi Cats.

 

Vencedores: Alexandra Daddario

Outra famosa conhecida por precisar de um agente melhor, o que parece ter acontecido em 2019, visto que que foi nesse ano que a atriz teve seus primeiros trabalhos elogiados pela crítica, ao invés de protagonizar as bombas de sempre.

 

Perdedores: Game of Thrones

Depois que a série precisou se sustentar com as próprias pernas, sua qualidade decaiu, entrando para o rol de “boas séries com finais ruins”.

 

Vencedores: Joaquin Phoenix, Todd Phillips e DC Comics

Joaquin Phoenix tem a primeira chance real de ganhar um Oscar desde Johnny & June, em 2005, com o projeto de maior sucesso comercial de sua carreira. Quanto a Todd Phillips, é até inacreditável que o mesmo cara por trás da trilogia Se Beber Não Case é o mesmo por trás de Coringa. Agora com a Fox se afastando dos filmes R-Rated e com o sucesso imenso de Coringa, o caminho da DC Comics está aberto para explorar um nicho que a Marvel não tem interesse em entrar.

 

Perdedores: Melissa McCarthy

Em 2019 não acertou uma, com destaque para Rainhas do Crime, que além de ninguém ter ido assistir, foi massacrado pelos críticos.

 

Vencedores: Craig Mazin, criador de Chernobyl

Depois de só comandar projetos ruins por toda a carreira, Craig Mazin dessa vez fez um golaço com a minissérie Chernobyl, um dos melhores trabalhos para a TV da década.

 

Perdedor: Exterminador do Futuro

Quantos fracassos dessa franquia a Paramount está disposta a suportar até entender que o público perdeu o interesse no Exterminador do Futuro?

 

Vencedor: Jennifer Lopez e Awkwafina

Jennifer Lopez finalmente conseguiu aclamação com As Golpistas, juntamente com Awkwafina, atriz de origem sino-coreana que vem ascendendo em Hollywood. Além de As Golpistas, Awkwafina chamou a atenção da indústria com a dramédia elogiada A Despedida. Ela também integra o elenco do novo Jumanji.

 

Perdedor: As Panteras

O único momento da história no qual As Panteras foi uma sensação foi durante a primeira temporada da clássica série, no final dos anos 1970, quando o cabelo da Farrah Fawcett foi copiado por todo os EUA. Com o sucesso, ela abandonou a série após a primeira temporada para tentar carreira no cinema e a série nunca mais foi a mesma desde então. Em 2001 foi feita uma adaptação para os cinemas, que funcionou porque dependia do carisma de Cameron Diaz e de Drew Barrymore para funcionar. Já em 2019 foi feito um reboot da franquia que fracassou feio nos cinemas. Para começar, As Panteras não são assim tão populares, nem mesmo nos anos 2000 e para completar, não há nenhuma atriz com a mesma projeção que Cameron Diaz e Drew Barrymore tinham na época. Apesar da fama de Crepúsculo, Kristen Stewart não é exatamente uma grande estrela do cinema e as outras atrizes são desconhecidas. A Sony achou mesmo que as pessoas que as pessoas pagariam para ver As Panteras só por ser um filme das panteras. Deu no que deu.

*Tentaram ressuscitar essa série há uns anos, porém não deu certo. Ninguém liga para As Panteras.

 

Vencedor: Robert DeNiro

Depois de passar anos fazendo bomba para pagar as contas (segundo ele próprio, inclusive), Robert DeNiro retoma a parceria clássica com Martin Scorcese em O Irlândes, filme que provavelmente vai dar a ele mais uma indicação ao Oscar.

 

Perdedor: Tim Burton

Nem o ‘Toque de Midas’ da Disney salvou o Dumbo de Tim Burton, que há muito tempo não faz nada de interessante.

 

Henry Cavill e Anya Chalotra

Henry Cavill não vai ser mais o Superman. Isso é um fato. O sucesso de audiência de The Witcher veio na hora certa para ele, que vai ter outra possível franquia para apoiar a carreira. Já Anya Chalotra, a Yennefer, teve que lidar com as críticas dos fãs por não se parecer em nada com a personagem fisicamente. A série estreou e ela calou a boca de muita gente, chamando mais atenção do que o próprio protagonista.

 

Perdedor: Lego e Playmobil

2019 serviu para coroar o fracasso da franquia Lego, que provavelmente já era a essa altura. Talvez lancem um Batman Lego 2, mas duvido que expandam essa franquia de outras formas por alguns anos. O Nerdzoom até fez um texto sobre o fracasso da franquia. Na esteira do ‘flop’ veio também o longa Playmobil, outro filme baseado em brinquedos, que além de ter se atrasado para pegar carona no sucesso de Uma Aventura Lego, não arrecadou nem US$ 1 mi de dólares na estreia (risos). O filme custou US$ 40 mi e faturou só US$ 14 mi. Segundo a crítica, o filme parece um comercial gigante do Playmobil, ao invés de ser um filme com uma história coesa, como aconteceu com os filmes do Lego.

 

*Bônus – Vencedora: Nicole Scherzinger

A cantora fez parte do elenco de Cats, quando a peça esteve em cartaz no Westend em Londres e disse que ficou magoada por não ter sido considerada pelo diretor, nem pelo estúdio, para reprisar seu papel nos cinemas. Ela deve ter gargalhado alto quando viu a recepção do longa. Há males que vem para o bem, não é mesmo?