Na década de 1950, Gardner Fox (Adam Strange) trouxe para o grande público, uma das equipes de super-heróis mais influentes do mundo: Liga da Justiça, composta pelos grandes medalhões da editora: Aquaman, Batman, Caçador de Marte Flash, Lanterna Verde, Mulher-Maravilha e Superman, e foi um estrondoso sucesso de vendas e um dos catalisadores para a criação da editora rival, mas isso é papo para outro momento.

Anos mais tarde, após: Crise nas Infinitas Terras, o universo da DC passou por uma reformulação total de seus personagens, incluindo a equipe mais simbólica da editora, que agora detinha alguns heróis pouco conhecidos pelo grande público, justamente por limitações dos editores, mas ainda tinha uma liberdade criativa para trabalhar com eles, justamente por não terem tanta carga cronológica como os grandes, e como resultado, tivemos uma das melhores, senão a melhor, fase da Liga da Justiça.

Graças a série de republicações feitas pela Panini em formatos mais acessíveis, os fãs brasileiros tem acesso a uma das fases mais celebradas da equipe. Lendas do Universo DC: Liga da Justiça de J.M. DeMatteis & Keith Giffen -Vol. 01, é uma verdadeira pérola nas bancas de jornais, que consegue misturar o heroísmo com uma dosagem grande de humor, perfeita para todos os públicos.

Com o roteiro de J.M. DeMatteis (Homem-Aranha: A Última caçada de Kraven), argumento e esboços de Keith Giffen (Lobo: O Último Czariano) e desenhos de Kevin Maguire (Batman: Confidential), na esteira do evento Lendas, uma nova geração dos Maiores Super-Heróis do Mundo se torna o centro das atenções. No entanto, esse é o grupo mais improvável já visto! Batman, Besouro Azul, Caçador de Marte, Guy Gardner, Canário Negro, Senhor Milagre, Gladiador Dourado, Senhor Destino, Doutora Luz, Shazam e muitos mais se unem para formar uma nova Liga da Justiça.

Graças a alta dosagem de humor no roteiro, a narrativa ganha um novo patamar de sagacidade, fazendo piada com tudo e com todos, mas ainda conseguindo manter aventuras instigantes e eletrizantes, indo completamente na contramão das publicações de heróis da época, cujas quais procuravam abordas aspectos mais íntimos dos personagens, na esteira de Watchmen e Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, mas que não perde em nada se comparado com essas duas.

Os diálogos entre os personagens são uma das melhores coisas da edição, justamente por causa da inteiração entre eles que mais se assemelha a uma sitcom do que a uma história de quadrinhos propriamente dita. Com piadas referenciais de alto nível, brincam com conceitos dos próprios heróis e fazem questão também de zoar até mesmo a editora rival.

Mesmo sendo o primeiro trabalho de Maguire na época, pode ser facilmente rivalizado com obras de artistas renomados, apresentando personagens extremamente caricatos, mas que graças a isso, acabam ganhando contornos mais aprofundados para suas emoções. Os fãs podem ver em primeira mão, cenas icônicas retratadas até hoje, como o soco que o Batman dá em Guy Gardner, e começo da relação instável de amor e ódio entre ambos.

O encadernado reúne as edições originalmente publicadas em Justice League #1-6 e Justice League International #7, e mais extras muito informativos, em 192 páginas. Com o formato de 17 x 26 cm, possui capa cartonada e lombada quadrada, pelo preço de R$ 29,90, considerando o material,é um valor relativamente acessível e justo para o grande público.

Lendas do Universo DC: Liga da Justiça de J.M. DeMatteis & Keith Giffen -Vol. 01, mesmo indo na contramão de todas os clássicos da indústria da época, traz para o leitor um roteiro sagaz e inteligente, que sabe dosar muito bem humor com aventura, acompanhado de uma arte arrebatadora, é uma leitura divertida e de qualidade irrevogável, que chega a ser quase obrigatória de se ter na coleção de qualquer fã de quadrinhos.

Qual a sua reação?

0
Incrível!
0
Gostei muito!
0
Amei!
0
Fiquei em Dúvida!
0
Simples
Kauê Medeiros
Estudante de jornalismo, e amante de filmes e quadrinhos desde que se conhece por gente. Existindo em uma vida dirigida pelo Stanley Kubrick e roteirizada pelo Grant Morrison.