Ainda que tenha Inumanos com sua 1ª Temporada, a série O Justiceiro está prestes a estrear e com isto as primeiras críticas da mídia internacional já foram divulgadas e você pode conferir-las abaixo:

Variety – Sonya Saraiya:

”Ao todo, ”O Justiceiro” não é apenas satisfatório, mas surpreendente – uma interpretação da parceria verdadeiramente comprovada da Netflix e da Marvel que oferece mais profundidade e desafios para a platéia do que até mesmo a série “Jessica Jones” da Marvel. Livre de superpoderes e super-heróis, o universo Marvel é mais indulgente – e mais interessante. Claro, o Universo Cinematográfico Marvel ligeiramente cartonesco ainda é um mundo onde as pessoas chamaram Carson Wolf, aparecem e agem como se não fossem obviamente vilões. Mas o lugar do ”Justiceiro” é um pântano bem-vindo de perguntas espinhosas e respostas insolúveis. Pelo menos nesta parte da televisão, há espaço para outro anti-herói.”

ComicBook – Kofi Outlaw:

O Justiceiro pode parecer o mais recente na linha de montagem da série Marvel com a Netflix, mas definitivamente quebra o molde usual para oferecer aos fãs um conto surpreendentemente profundo e matizado de violência e o trauma que ele deixa no seu rastro. É diferente de qualquer outra coisa no Universo Cinematográfico Marvel, e classifica-se lá como o melhor da marca Marvel Netflix (como as primeiras temporadas de Demolidor, Jessica Jones)… para aqueles preocupados com os problemas anteriores das séries Marvel Netflix que entram em jogo, definitivamente há dois que fazem. Primeiro: O Justiceiro é tão estrutural como qualquer série Marvel que está no catálogo da Netflix… Nessa mesma linha, este primeiro arco termina com algumas torções igualmente obrigatórias, que poderiam enviar a segunda metade de O Justiceiro em algum território de Luke Cage.”

IndieWire – Liz Shannon Miller:

”Honestamente, o pior aspecto de “O Justiceiro” é que não há muito a dizer sobre isso. É feito com competência, decentemente escrito, mas nunca empurra nenhum limite ou desafia qualquer grande ideia. Para um show que parecia, desde o momento do seu lançamento, ser tão controverso, seu elemento mais controverso é a falta de controvérsia. Frank Castle faz algumas coisas ruins, mas nada tão ruim quanto o que acontece na América em uma base regular. Como uma narrativa sobre os veteranos que tentam encontrar seu lugar no mundo, “O Justiceiro” tem algo a dizer. Mas poderia ter sido muito mais curto, e sua colocação no universo Marvel se sente tangencial na melhor das hipóteses.”

THR – Daniel Fienberg:

Muito melhor que ‘Punho de Ferro’, a última série Marvel da Netflix é uma história de vingança estreita e brutal de vingança esticada e inexcusável durante 13 horas… O Justiceiro tem momentos de excitação, momentos de violência e uma estrela bem-moldada no centro. Também é tedioso por longos trechos e, quando se trata de explicar detalhes, surpreendentemente esquecível. O material da arma é apenas um capper desagradável.”

Forbes – Merrill Barr:

”O Justiceiro é a melhor série Marvel até agora configurada no UCM de ficção. Por quê? Porque faz o seu próprio bem. Desde 2015, assistimos que um mundo de “Defensores” fosse construído dentro dos confins de Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro. O Justiceiro não tem nada a ver com nada disso. Enquanto o show se baseia em algum conhecimento prévio obtido da 2ª temporada de Demolidor, desde o momento em que pegamos o ponto de partida com Frank, estamos em uma missão lateral completamente diferente que serve bem o show. Além de ser o melhor, O Justiceiro é também a série mais violenta e desenfreada já produzida e construída pela Marvel Television (ou, neste caso, Jeph Loeb).”

Polygon – Susana Polo:

”Revisar a Marvel da Netflix antes do lançamento vem sempre com algum risco, já que a empresa só oferece a primeira metade da temporada para pressionar. Ainda assim, parece justo julgar um show baseado nesses episódios sozinhos, e atualizar uma vez que o resto esteja disponível. Mas aqui, novamente, O Justiceiro se sente como algo diferente… O primeiro episódio do Justiceiro é sonolento e repetitivo; nada disso é qualquer coisa que não vimos na segunda temporada de Demolidor. Ao longo dessas mesmas linhas, o quinto e o sexto episódios já arrastam mais do que os outros, uma indicação da baixa média temporada da Netflix. Mas, pelo menos, o começo repetitivo de O Justiceiro é parte do primeiro passo necessário para a narrativa no enredo do show: mover o objeto de vantagem na vingança de Frank.”

Uproxx – Allan Sepinwall:

”Mas – como foi o caso tanto do Punho de Ferro quanto dos Inumanos desastrosos da ABC – ninguém parece ter tido nada além da tomada mais superficial sobre como escrever [O Justiceiro] e construir um show inteiro ao seu redor… É um enigma: O Justiceiro é mais eficaz quando seu personagem do título está matando indiscriminadamente seus inimigos, mas também é quando ele evoca os tipos de horrores da vida real que remeteu a estreia uma vez, e poderia continuar empurrando para trás indefinidamente. Pode-se esperar que seja um momento em que as ações de Frank não recordam instantaneamente os horrores do nosso mundo, mas essa versão de sua história ainda precisa ser dita de forma muito mais convincente do que isso.”

Collider – Chris Cabin:

”Este é um material incrivelmente sério e é um testemunho da ambição de O Justiceiro de que o criador do programa, Steve Lightfoot, não se afasta do isolamento e do tormento interior com que os veteranos vivem diariamente… A série não é nada se não oportuna, e quando o foco é sobre essas questões, O Justiceiro é mais desafiador e cativante do que qualquer coisa que os programas da Marvel Television produziram até agora. Quando a série se afasta dessas coisas, no entanto, o show varia de fascinante a suave a ridículo.”

O Justiceiro estreia dia 17 de novembro de 2017 na Netflix.