Até o momento, o filme tem possui 59% de críticas positivas no site Rotten Tomatoes entre um total de 98, muito abaixo dos 93% do original. No Metacritic, o longa tem uma nota mediana de 57/100. As queixas comuns são o fotorrealismo da adaptação “live-action” de Jon Favreau: Se os críticos adoravam os desenhos animados antropomórficos do original, aqui eles sentiram que a aparência de documentário da NatGeo criou uma divisão entre os espectadores e os amados personagens.

Alguns críticos elogiaram a fidelidade ao original, enquanto outros lamentaram a falta de originalidade. Confira os comentários abaixo:

Peter Debrunge, da Variety: Ao focar sua atenção em melhorar o visual do filme anterior, ao mesmo tempo em que fala largamente em suas escolhas de direção e roteiro, Favreau reforça a força do clássico de 1994. Se você nunca foi fã de “Rei Leão“, nada aqui vai conquistá-lo. Por outro lado, para aqueles muito jovens que já assistiram, esta poderia ser uma experiência única, uma que se esforça para criar um tipo de entendimento entre o público e o reino animal, algo que a Disney já fez várias vezes antes, como em “A Montanha do Lobo Solitário” e “A Incrível Jornada”. É uma pena sacrificar a arte desenhada à mão – cujo toque humano seguramente será mais valorizado a longo prazo – mas essa é a norma nesta última onda de remakes, e “O Rei Leão” pelo menos honra o que veio antes, usando a tecnologia da animação atual para nos convencer de que estamos assistindo a uma coisa real.

Bilge Ebiri, da Vulture: Tecnicamente falando, é uma maravilha. O remake de Jon Favreau de O Rei Leão, da Disney, possui todos os detalhes imersivos e o imediatismo tátil de um documentário sobre a natureza excepcionalmente bom. Ele nos transporta. Podemos praticamente sentir o pêlo desses animais, e queremos nos afastar de seus saltos enormes enquanto a câmera nos afasta, sem fôlego, através da grama trepidante e dos barrancos íngremes. É difícil imaginar que tudo isso tenha sido criado em um estúdio e que quase nada disso é real. Seria um ótimo caso de “Como eles fizeram isso?“, Exceto que eles fizeram isso tão bem que você esqueceu que eles fizeram alguma coisa. “Oh, o leão está cantando? Bem, que tal isso? Eu não sabia que um leão podia cantar. Mas aí está – um leão de verdade cantando”.

Essa é a boa notícia. A notícia não tão boa é que, tendo entrado no reino fotorrealista, o humor do Rei Leão também mudou. De repente, aquela cena icônica de abertura, com todos os animais se reunindo para se curvarem perante o recém-nascido Simba, segurado como uma espécie de cetro de poder absoluto, não parece triunfante ou comovente, como aconteceu na animação. Parece nauseadamente autoritário.

A.A Down, do site A.V Club: Sem alegria, sem arte e talvez sem alma, transforma um dos títulos mais notáveis do acervo da Casa do Rato num filme muito caro e repleto de estrelas da Disneynature. É como se toda decisão criativa estivesse subordinada à insistência equivocada do filme no realismo, em manter os maneirismos e movimentos dessas criaturas magicamente inteligentes “críveis”. E assim, toda a agradabilidade do filme não só parece pouco original, como também diminuída: estamos assistindo a um blockbuster vazio, ao mesmo tempo completamente dependente da afeição preestabelecida do público por seu antecessor e estranhamente determinado a abandonar grande parte do que o tornava especial.

Brian Truitt, do USA Today: O “Rei Leão” realmente precisava de uma versão simplificada? Não. O original resistiu bem ao tempo e, honestamente, continua a ser um filme encantador. Favreau, pelo menos, ama e respeita a história o suficiente para fazer justiça, bem como se apoiar nos temas centrais.

A interconectividade de todos nós – o Círculo da Vida – não é apenas falada, mas é sentida de novas maneiras. O mesquinho Scar, com suas bochechas esquisitas e os vocais perversos de Ejiofor, é o novo garoto propaganda da brutalidade. E o momento em que Simba, choroso, se aconchega ao lado de seu pai caído irá arruiná-lo novamente, mais ainda do que há 25 anos, por causa da imersão do mundo e dos personagens de Favreau.

Este “Rei Leão” faz um bom trabalho para a nova geração e parece espetacular no geral. A versão original, no entanto, será sempre a eternizada.

David Ehrlich, do site IndieWire: Se revelando como a deepfake mais longa e menos convincente do mundo, o remake (quase) fotorrealista de Jon Favreau de “O Rei Leão” pretende representar o próximo passo no círculo da vida da Disney. Em vez disso, essa quimera desalmada que chamaram de filme parece mais uma demonstração tecnológica glorificada de um conglomerado ganancioso – um autorretrato bem renderizado, mas criativamente falido, de um estúdio de cinema comendo seu próprio rabo.

Na maioria das vezes, a animação é tão branda, que suga as personalidades dos personagens. Scar costumava ser um vilão shakespeariano cheio de raiva e frustração; agora, ele é apenas um leão que soa como o Chiwetel Ejiofor. Simba costumava ser um jovem elegante, cuja herança real era temperada pela insegurança da juventude; agora ele é apenas um leão que parece o Donald Glover. Assistir a esses atores lidarem com um cenário realista, porém sem graça, sugere que Favreau estava tão ocupado tentando descobrir se podia fazer aquilo, que nunca parou para pensar se deveria.

Scott Mendelson da Forbes: Sim, os visuais de O Rei Leão, de Jon Favreau, são de fato impressionantes. A animação e a tecnologia que moldaram uma ótima adaptação de Mogli – O Livro da Selva há três anos são usados com toda força nesta adaptação do blockbuster de 1994. Entretanto, como muitos remakes do acervo de animações da Disney, a ênfase está no “realismo” em prejuízo do valor de entretenimento. Sempre que pode, este remake rebaixa seu próprio melodrama ao minimizar suas próprias emoções. A direção-chave parece: “seja como a versão de 1994, só que menos”.

Assim como em Aladdin, os personagens explicam detalhadamente suas escolhas e os motivos que fundamentam estas escolhas. Parece um quadrinho adaptado de um filme, onde balões e diálogos extensos compensam a falta de movimento, já os atores soam como tivessem se esquecido das falas e tentassem recorrer de cabeça à versão de 1994. Seja ao estender um filme de 90 minutos a duas horas ou para reproduzir dados demográficos on-line que visualizam cada aposta na sutileza como um “furo de enredo”, esses filmes parecem histórias originais repaginadas como desenhos infantis, voltados para as crianças da pré-escola.

Alissa Wilkinson, da Vox: O fotorrealismo é incrível, mas algo sobre as vozes soa estranho. Não é como se as pessoas não conseguissem imaginar leões falantes, é claro, mas isso distrai o espectador de um jeito que não é o ideal –  é estranho e deslocado ao mesmo tempo, como se os animais de um zoológico ganhassem feições humanas.

Então, “O Rei Leão” agora tem seu próprio álbum de capa intocada, representado em detalhes intrincados e realistas, um lado B de alta fidelidade para seus muitos fãs dedicados, mas pode, no final, deixar você desejando o original de vinil arranhado.

Rosie Knight, do site IGN: A Disney entrega seu remake mais bem-sucedido até agora. Um elenco forte, visuais excepcionais e a abordagem clássica de Hamlet que gira em torno destes animais tornam esta versão infinitamente mais assistível do que os remakes de animações anteriores. O único problema aqui é que Rei Leão é uma cópia quadro-a-quadro da versão original, que vai esquentar com a nostalgia até os corações mais frios, porém vai desapontar aqueles que procuram por algo novo nesta história icônica.

Peter Bradshaw, do The Guardian: Basicamente, este novo Rei Leão se aproxima muito da versão original e, neste sentido, é assistível e agradável. Porém, eu senti falta da simplicidade e vivacidade das imagens desenhadas à mão da animação original. O círculo da vida comercial deu a luz a este “digiclone”, que tem tudo do original, exceto identidade própria. Não sinto que o filme mereça uma reverência, mas respeito uma obra de entretenimento com um visual tão belo.

Fonte: Variety