Dog Days, traduzido por Nossa Vida com Cães em terras brasileiras, passou quase despercebido por aqui. Mas não se engane, não se trata de um filme ruim, pelo contrário, é de uma fofura sem igual. Com nomes conhecidos do grande público como as talentosas Nina Dobrev (Além da Morte) e Vanessa Hudgens (Uma Nova Chance), além de Eva Longoria (Desperate Housewives), Finn Wolfhard (Stranger Things) e Ron Cephas Jones (This is Us). O elenco dá conta do recado, e seus personagens são carismáticos o suficiente para prender a atenção, além de possuírem uma ótima interação com seus amigos de quatro patas.

A história do filme se centra em vários personagens ao mesmo tempo, sem focar diretamente em apenas um ou dois. Embora Liz (Nina Dobrev) e Tara (Vanessa Hudgens) recebam um destaque um tanto maior, por suas histórias pessoais. Na trama vemos um grupo de pessoas em Los Angeles, que não parecem ter nada em comum, mas que com seus cães acabam se cruzando de certa forma. O roteiro não tem nada mirabolante, e nem cria situações emocionantes ou pensativas, apenas é leve e divertido, para você se divertir numa tarde de sábado. A história acaba por mostrar os relacionamentos pessoais de seus personagens, e como suas vidas tem ligações com seus amigos caninos. Liz por exemplo acaba de sair de uma relacionamento amoro, cuja traição a deixou deprimida, mas ela opta por colocar tudo que sente sob Sam, seu adorável cão, como se ele estivesse sentido aquilo que ela se nega a sentir. Tara tem forte atração pelo veterinário Mike (Michael Cassidy), que ela vê todos os dias cruzando a rua, então quando ela acha Gertrude (uma adorável pincher de rua), vê a situação perfeita para finalmente falar com Mike, enquanto Garrett (Jon Bass), seu mais novo amigo, é apaixonado por ela e acaba por ajudá-la com a cachorrinha adotada, já que Tara não pode ter animais em seu prédio. O solitário viúvo Walter (Ron Cephas Jones), vive apenas com sua pug Mable, e um dia em um conflito com o jovem entregador de pizzas Tyler (Finn Wolfhard), Mable foge e Tyler acaba virando um grande amigo de Walter, o ajudando na busca por sua cachorrinha. Grace (Eva Longoria) e Kurt (Rob Corddry) decidem adotar uma filha, a pequena Amelia (Elizabeth Phoenix Caro), que não consegue se conectar ou interagir com os novos pais, até que ao acharem uma pug perdida na rua, Amelia passa a se abrir e se adaptar á nova vida. A pug perdida é Mable, e enquanto Walter á procura, Amelia passa a ser sua nova grande amiga. O vizinho de Tara, que também não pode ter cachorro no prédio, é Dax (Adam Pally), que passa a cuidar do cão de sua irmã que acabou de ter gêmeos, de início renegado mas depois formando uma grande amizade com o cachorro. Jimmy (Tone Bell), deprimido ex atleta vive apenas com sua cachorra Brandy, com quem divide seus dias. A vida de Jimmy se cruza com a de Liz, e eles vivem um romance ao lado de Brandy e Sam, até que uma tragédia aflige Jimmy e sua cachorra Brandy. As vidas de todos eles vai se cruzar de uma forma ou outra, no melhor estilo de filmes similares como Idas e Vindas do Amor, Noite de Ano Novo e Procura-se a Mulher Perfeita, onde o elenco conhecido se destaca sob um roteiro de comédia romântica comum.

Eva Longoria, Rob Corddry, and Elizabeth Phoenix Caro in Dog Days (2018)

O destaque em Dog Days é sem dúvida alguma o adorável elenco canino, que inclui cães de várias raças, e a minha preferida Pug, que rende momentos muito fofos durante o longa. A fotografia também é bonita, com a adorável Los Angeles como plano de fundo da história apresentada. Direção que não compromete, e um filme que deu bons resultados da crítica e público, conseguindo 60% de aprovação no Rotten Tomatoes, que tendo em vista um filme desse tipo é uma ótima nota. Como já citado não é um grande filme e nem tem a pretensão de ser, mas naquilo que se propõe é muito gostoso de assistir. Em sites de público o filme oscila com bons números também. Afinal é impossível não adorar ver lindos cachorros e humanos interagindo em uma comédia romântica, fofa, leve e divertida, que vai te arrancar um sorriso bacana ao final, de tamanha fofura vista em tela.