A edição final da série Extermination (ou Exterminação, em tradução livre) da Marvel Entertainment foi lançada, fechando uma era de seis anos de histórias em quadrinhos dos X-Men, encerrando um elemento do enredo – e, no processo, perturbando os fãs pela forma como foi finalizado.

A quinta edição da minissérie de Ed Brisson e Pepe Larraz dá continuidade à promessa presente em toda a série, enviando as versões mais jovens e deslocadas no tempo dos X-Men originais – Cyclops, Jean Grey, Fera, Homem de Gelo e Anjo. – de volta ao exato momento em que foram sequestrados, no All-New X-Men No. 1 de 2012, para preservar a integridade da história dos quadrinhos da Marvel. Mas há um custo e é algo com o qual nem todo mundo se sente confortável.

Em 2015, no All-New X-Men No. 40, o adolescente Homem de Gelo saiu do armário, uma decisão que atraiu muita atenção da mídia e aumentou significativamente o perfil de um personagem que existia desde X-Men No.1 de 1963, mas permaneceu como um herói de nível médio em termos de base de fãs e atenção. Também foi um problema narrativo para a linha do tempo maior do Universo Marvel. Se o Homem de Gelo do passado se declara gay, então o que aconteceu com o Homem de Gelo do presente, que não estava sendo retratado como homossexual? e mais do que isso: Como essa revelação impactaria o Homem de Gelo do passado, quando ele for devolvido ao seu período de tempo correto?

A primeira dessas questões foi resolvida fácil e rapidamente: o Homem de Gelo mais velho se declarou gay sete meses depois, em Uncanny X-Men No. 600. Quanto ao segundo ponto, foi bem aí que Extermination foi criticado.

Na edição, os X-Men originais retornam ao seu próprio período e discutem como proteger melhor a linha do tempo – ou seja, limpar suas próprias memórias do futuro e tudo o que descobriram enquanto estavam lá. “Não podemos suspeitar que algo mudou”, argumenta Jean Grey. O problema é que isso propositadamente coloca o Homem de Gelo mais jovem de volta ao armário, uma decisão criativa que deixou alguns insatisfeitos.

O assunto é, brevemente, abordado dentro da própria história; antes do adolescente Iceman voltar ao seu período, ele tem uma conversa com seu eu mais velho. “Eu não sou a mesma pessoa. Eu não quero voltar a fingir algo que não sou“, diz ele. O seu eu mais velho tenta consolá-lo dizendo: “Não importa o que aconteça quando você voltar… você finalmente me deixou ser honesto comigo mesmo e ninguém pode tirar isso de nós“.

Fonte: Hollywood Reporter