Toy Story é uma das franquias mais amadas pelo mundo, que foi por muito tempo o carro chefe da Pixar. Trazendo Woody, Buzz e seus amigos em vários aventuras. Que falavam sobre amadurecimento, abandono e muito mais. E agora chegamos ao quarto filme que não nos dá um final, mas nos conta o que aconteceu com aqueles aventureiros.

O filme nos apresenta a vários momentos da história do Woody novamente. E também temos a volta de Betty que não vemos desde o primeiro filme.  Em questões narrativas o filme não surpreende, seguindo a mesma forma dos anteriores. Entretanto, fazendo isso eles conseguem entregar um filme mais fechado.

O roteiro consegue cativar e emocionar, nos fazendo relembrar momentos da nossa infância como Toy Story sempre fez. E também vemos os incríveis diálogos feitos entre personagens que são diferentes, mas apresentam um mesmo caminho que já seguiram ou estão seguindo.

A fotografia e design do filme estão incríveis. Esse filme também serve para mostrar toda a evolução da Pixar desde os anos 90. E as cenas de “ação” e comédia também não possuem defeitos.

Mas o filme falha infelizmente no quesito personagens. Woody é o personagem central desse filme, tirando o foco de personagens mais antigos que conhecemos. Buzz, Cabeça de Batata e os outros ficam de fora da aventura, sem apresentar nenhuma evolução durante o filme.

E também que salva nesse quesito são os personagens novos que vemos ao lado de Betty, que servem como alívio cômico, e também apresentam debates sobre o crescer, e tentar encontrar seu objetivo na vida. A direção consegue surpreender nisso. Ela não deixa nada de fora e sempre usando tudo que o Woody aprendeu ao longo do tempo.

Toy Story 4 não deve ser tratado como uma continuação direta da aventura dos bonecos, mas sim um posfácio. Onde nele vemos qual foi o caminho que cada personagem escolheu e agora sabemos que suas aventuras estão longe de acabar.