A depressão, a ansiedade e problemas relacionados ao psicológico de uma pessoa, são temas bastante usados nos últimos anos, principalmente por ser doenças que estão recebendo cada vez mais atenção da mídia, justamente por ser considerada a doençado século. Cadê Você, Bernadette? é uma adaptação do livro de Maria Semple, com o mesmo nome, que consegue uma construção primorosa de personagens, mas que não sai da esfera do confortável, beirando o brega em muitos momentos.

Dirigido e co-roteirizado por Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude), o longa conta a história de Bernadette Fox, uma arquiteta em ascensão que se aposentou misteriosamente e agora vive em uma casa isolada com a sua filha prodigiosa e seu marido executivo da Microsoft, e que sofre constantemente com os traumas do passado que são desenvolvidos ao longo trama. Após um incidente ela foge para a Antártica em busca de uma catarse para a sua angústia.

Apesar do filme possuir uma premissa interessante, está longe de ser cativante. A direção de Linklater, consegue manter o seu padrão de qualidade, com uma construção de personagens muito bem feita, com seu foco na estrela Cate Blanchett, mas não sai da esfera do confortável e em alguns momentos chega a ser brega e monótono.

Muitos conceitos utilizados, lembram a filmes de Sessão da Tarde sobre mães que tem um colapso nervoso e largam a sua vida de donas de casa para “aproveitar a vida”. A construção de personagem reutiliza esse elemento e o transforma em um tipo de ansiedade comum em artistas, mas é apresentado tardiamente na trama, se propondo a ser uma espécie de grande revelação, mas que fica obvio desde que a história da artista é contada.

As atuações do filme são inquestionavelmente excelentes, mesmo os que tem pouco espaço de tela brilham, e servem como uma escada para a estrela principal: Cate Blanchett (Thor: Ragnarok), que dá um show, e consegue dar substância para todas as cenas em que aparece.

Cadê Você, Bernadette? se propõe à muitas coisas, mas não consegue atender quase nenhuma. Com uma construção de personagem entediante e previsível, mesmo os momentos catárticos do filme, se tornam triviais. Uma pena, já que o longa possui um elenco poderoso, que graças a uma história fraca e mal conduzida, vai passar bem abaixo dos radares de premiações importantes e até mesmo do público, infelizmente.

5.0
Score

Pros

  • Atuações excelentes;
  • Direção competente, sob alguns aspectos;

Cons

  • Adaptação fraca;
  • Desenvolvimento mal conduzido;
  • Direção falha, sob alguns aspectos;
  • Roteiro entediante;
Direção
5
Roteiro
3
Fotografia
5
Atuações
9

Final Verdict

Apesar do elenco estar primoroso e a direção tentar trabalhar com um roteiro fraco, o filme acaba se tornando entediante e previsível, perdendo peso em muitas cenas e se tornando mais um filme de Sessão da Tarde.