Batman – O herói que não tem fases ruins há 40 anos

O Cavaleiro das Trevas – amado e odiado por muitos – sem dúvidas, é um dos heróis de maior fama e sucesso da indústria dos quadrinhos. Com inúmeros clássicos...

O Cavaleiro das Trevas – amado e odiado por muitos – sem dúvidas, é um dos heróis de maior fama e sucesso da indústria dos quadrinhos. Com inúmeros clássicos ao longo dos anos, o Morcegão continua em boas mãos, com o espetacular Tom King. E ao analisar-se sua trajetória há mais de 40 anos, é possível notar o porquê do cruzado encapuzado ainda ser um personagem tão popular e com fases excelentes ainda nos das atuais.

 

Resultado de imagem para batman alex ross

Os anos 60 fizeram muito mal ao justiceiro mascarado. Com o selo Comics Code Authority, suas histórias perderam o caráter mais sério e sombrio. Batman passou a enfrentar alienígenas, vestir uniformes multi-coloridos, e se tornar alvo de piada. Com o público-alvo sendo as crianças, o personagem deixou de enfrentar gangstêrs e bandidos de meia-tigela. Ainda com a famosa série de 1966, a qual catapultou as histórias infantis, o morcego perdeu toda sua credibilidade entre os adultos e os leitores que viram o mito nascer, lá em 1939, mais precisamente, na Detective Comics n°27. Mas, obviamente, o “reinado de besteirol” não poderia durar.

 

Resultado de imagem para batman rainbow suit

 

Após o cancelamento da série, a DC perdeu diversos leitores das revistinhas do Morcegão. Por que? Porque depois de tanta infantilidade (e, sinceramente, vergonha alheia), os leitores acabaram enjoando das histórias bobinhas. A arma do herói destinado ao público infanto-juvenil estava com a popularidade, entre todas as faixas etárias, lá em baixo. Afinal, as crianças que passaram anos lendo as mesma histórias haviam virado adolescentes. E do que os adolescentes gostam?

Resultado de imagem para batman facepalm

 

Se você respondeu violência, sangue ou porradaria, parabéns, você acertou na mosca. Os editores da DC decidiram que era a hora de voltar o personagem às suas raízes, a tão amada luta contra o crime. E dois nomes imortais e lendários foram convocados para a missão.

Dennis O’Neil e Neal Adams.

A partir do anos 70, o vigilante passou a ter suas boas e velhas histórias voltadas para o clima noir dos anos 30. Gangues, supervilões e muita, mas muita violência. Era tudo que o bilionário de Gotham City precisava.

Imagem relacionada

 

Com a dupla de gênios, o playboy, bilionário, filantropo (referência?) e mestre de artes marciais enfrentou novos desafios, como o  terroristaa genocida Ra’s Al Ghul, o Morcego-Humano, e diversas outras ameaças criadas pela brilhante dupla. Obviamente, o seus arqui-vilão também precisaria voltar às origens. O palhaço que cometia crimes apenas para chamar a atenção do seu inimigo morcego, e roubos insignificantes, para atender as exigências do CCA, agora voltaria a ser o maníaco homicida que mata por prazer. O Coringa também estava de volta! E tudo isso em uma década, ufa!

Resultado de imagem para joker neal adams

 

Dos anos 70 em diante, foi só sucesso. Batman passou por roteiristas de renome como Gerry Conway, Mike W. Barr, e claro, Frank Miller, que dispensa apresentações. Todos foram essenciais, mas Miller é o responsável pelo Batman que temos hoje, bravo, forte e destemido. As suas minisséries Batman – O Cavaleiro das Trevas Batman – Ano Um, são clássicos essenciais para qualquer fã do morcego, para qualquer fã de quadrinhos. Nesta mesma década, ainda tivemos Morte em Família, uma das histórias mais tristes e emblemáticas do Morcegão, e Asilo Arkham, obra-prima do fantástico Grant Morrison. Para completar, o seu arqui-inimigo caiu nas graças do maior escritor de quadrinhos de todos os tempos. Sim, estou falando de A Piada Mortal, de Alan MooreA origem definitiva do Coringa, que proporciona teorias de conspiração e diversas polêmicas até hoje. E para fechar a década com chave de ouro, um filme com seu nome, dirigido por Tim Burton, protagonizado por Michael Keaton e antagonizado por Jack Nicholson! O que mais o cruzado encapuzado poderia pedir?

Imagem relacionada

 

Passando para os anos 90, após a Crise nas Infinitas Terras, o encapuzado caiu nas mãos de autores como Chuck Dixon e Alan Davis, e ainda ganhou outro clássico essencial, O Longo dia das bruxas, pelos incríveis Jeph Loeb e Tim Sale. Esses dois ainda escreveriam Vitória Sombria Dia das Bruxas, outras excelentes HQs.Ainda fomos presentados com clássicos como Knightfall e Terra de Ninguém. Batman ganhou a companhia de Tim Drake, após a morte do 2° Robin, Jason Todd, em Morte em Família, enfrentou o fisiculturista Bane, reergueu Gotham após uma epidemia e um terremoto, ganhou mais três filmes, e ainda estava de pé. Como sempre esteve.

Ponto pro Morcegão!

 

Imagem relacionada

 

Ah, os anos 2000… novo milênio, velho Batman. Novamente nas mãos de Jeph Loeb, mas agora desenhado por Jim Lee, o Morcegão continuou com HQs de ponta, como Silêncio, a volta de Jason Todd dos mortos, e o melhor ainda estava por vir. Grant Morrison.

Talvez o melhor escritor do morcego de todos os tempos, Morrison amoleceu o coração do heróizão taciturno dando-lhe um filho tão ranzinza e mal-humorado quanto o próprio, fez-o morrer e voltar dos mortos em Descanse em Paz, fez o morcego volta no tempo em Crise Final, deu o manto ao seu verdadeiro sucessor, Dick Grayson, e ainda sobrou tempo para criar a Corporação Batman. E mais dois filmes haviam sido lançados pelo magistral Christopher Nolan, com o Bruce Wayne mais querido dos cinemas interpretado por Christian Bale, com Batman Begins Batman – O Cavaleiro das Trevas,  antagonizado pelo lendário Heath Ledger, que também dispensa apresentações. E o morcego ainda ganhou seu primeiro game de uma franquia inesquecível, com o memorável Batman: Arkham Asylum. Tá bom ou quer mais?

Imagem relacionada

 

Partindo dos anos 2010 e chegando aos tempos atuais, apesar do sofrimento dos novos 52, o cruzado encapuzado conseguiu manter o alto nível, com Scott Snyder. A Corte das Corujas, Endgame, e também Batman & Robin de Peter Tomasi, são apenas alguns exemplos de excelentes histórias protagonizadas pelo prodígio da DC. Ainda tivemos a conclusão da trilogia Nolan, para fechar novamente com chave de ouro. O morcego continuou sendo um fenômeno, mesmo perdendo e ressuscitando o filho, morrendo de novo, lutando contra um alienígena nos cinemas, e ganhando mais três games: Arkham City, Origins e Knight. Arkham City está entre os 10 maiores games de todos os tempos, imortalizando a franquia Arkham. É muito sucesso para um personagem só!

Resultado de imagem para batman new 52

 

E finalmente chegamos ao tão elogiado, amado e comentado, Universo DC Renascimento. Mesmo com boas histórias, estavam faltando os elementos clássicos pós-crise do Morcegão, apagados pelo estúpido reboot dos novos 52. O mestre de artes marciais ganhou um novo-velho uniforme, um novo roteirista, mas, o mais importante, manteve o alto nível. Ainda no comando, Tom King continuou a escrever clássicos para o vigilante mascarado, como Eu sou Bane, que está sendo publicado atualmente no Brasil, A guerra das piadas e charadas, e o prólogo de Doomsday Clock, o magnífico The Button. Em 2018, ainda teremos seu casamento com a sua antiga paixão Mulher-Gato, e o retorno de sua nêmesis, o insano Coringa. Este ano promete.

Imagem relacionada

 

Após esse retrospecto de mais de 40 anos, acredito ter deixado o meu ponto de vista bem claro: o Morcegão não teve mais fases ruins. É claro que, em tanto tempo, algumas HQs não foram do mesmo nível das quais eu citei. Mas no meio de tantos clássicos, essas pequenices acabam sendo esquecidas. Em 40 anos, o morcego já foi derrotado fisicamente, intelectualmente, e espiritualmente. Porém, ele sempre se reergueu. Nunca sequer cogitou desistir. Por mais que muitos fãs tirem sarro do herói, ele sempre foi, é, e será um símbolo, um ídolo, um mito a se seguir.

E é por isso que o Batman é o que é hoje: um imortal.

Resultado de imagem para batman through the years

Categorias
ArtigosBatmanDC FilmsHQs/Livros | ArtigosHQs/Livros | DC ComicsSem categoriaWarner Bros.

Leitor e critico de quadrinhos desde tempos imemoriais, formado em logística (que nada a ver, não?), estudante de vestibulares e escritor nas horas vagas. Jornalismo loading...
    Sem Comentários

    Deixe uma Resposta

    *

    *

    RELACIONADOS