Written by 14:02 Destaque, Filmes | Notícias, Notícias, Sem categoria, Séries | Noticias

Os perdedores e os vencedores de 2021

 

 

Vencedor: Kristen Stewart

Kristen Stewart foi criticada de várias formas possíveis enquanto protagonizava a franquia Crepúsculo. Hoje, mostrando que os humilhados serão exaltados, ela se aproxima da sua primeira indicação ao Oscar depois de arrancar elogios como Diana Spencer no longa de Pablo Larraín – Spencer.

 

Perdedor: Ridley Scott

Ridley Scott é conhecido como um diretor 8 ou 80. Quando acerta, é para valer, e quando erra, ninguém perdoa. Neste ano, ele lançou dois filmes: Casa Gucci e O Último Duelo.  Este segundo é um Rashomon medieval, com cada personagem tendo sua própria versão dos fatos; o longa foi bastante elogiado tanto pela crítica, quanto pelo público que o assistiu. Mas o problema é que pouca gente o assistiu, o filme foi um fracasso retumbante de bilheteria (US$ 30 mi arrecadados no mundo). Decepcionado, Scott culpou os millenials que não saem do celular.

Casa Gucci (US$ 111 mi arrecadados no total) foi concebido para ser o seu oscarbait. Comercialmente se saiu melhor do que O Último Duelo (afinal o marketing foi melhor), mas acabou sendo recebido de forma dividida pela crítica e pelo público, que consideraram a história melodramática demais. Dada a recepção (e isso é importante para a Academia), Casa Gucci pode abocanhar algumas indicações para melhor maquiagem, figurino e uma de melhor atriz coadjuvante para Lady Gaga, no máximo. Seja lá o que acontecer, o longa não será o oscarbait poderoso que se esperava.

A ironia da situação é que O Último Duelo causou uma impressão muito melhor no público e se tivesse a mesma arrecadação razoável de Casa Gucci, o filme de Scott ainda teria chances de obter muitas indicações. Porém, o fracasso comercial do filme não ajuda, e isso também é importante para a Academia.

 

Vencedor: Sony Pictures

Dá para entender o 2021 falando apenas de dois filmes: Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa e Venom: Tempo de Carnificina. Ambos se saíram bem nas bilheterias, com US$ 1.057 bi e US$ 500 mi, respectivamente.

 

Perdedor: Warner Bros. e o lançamento híbrido

Há um ano, a WB tomou a decisão de lançar todos os seus filmes simultaneamente nos cinemas e no streaming HBO Max. A decisão trouxe muita indignação à classe artística – Christopher Nolan até cortou laços com o estúdio e muitos acordos precisaram ser feitos para acalmar os ânimos. Depois de um ano, ficou claro que a ideia não é tão lucrativa como se imaginava e, a partir de 2022, o estúdio voltará a lançar seus filmes com exclusividade nos cinemas.

 

Vencedor: Will Smith

Will Smith doou salário de King Richard para elenco após mudança em estreia; entenda · Rolling Stone

Vez ou outra Will Smith tenta ganhar um Oscar. A última tentativa foi com o desastroso Beleza Oculta (2016) e a última chance real que ele teve de ganhar o prêmio foi em 2006, por sua interpretação em À Procura da Felicidade. Agora, ele tem altas chances de conseguir mais uma indicação com o longa King Richard, no qual interpreta o pai das lendárias tenistas Serena e Venus Williams.

 

Perdedor: Aaron Sorkin

Beneficiado pela falta de concorrência no ano anterior, Os 7 de Chicago (dirigido e escrito por Sorkin) abocanhou 6 indicações ao Oscar, incluindo de melhor filme. Esse ano ele tenta de novo com Apresentando os Ricardos, mas a recepção do público e da crítica não foi tão entusiasmada quanto no anterior.

 

Vencedor: Andrew Garfield

Como se não bastasse voltar a reprisar seu Homem-Aranha em Sem Volta Para Casa. Garfield também tem chances de receber sua primeira indicação ao Oscar pelo longa Tick, Tick…Boom!, da Netflix.

 

Perdedor: MCU

A Marvel sempre consegue levar multidões aos cinemas. Considerando isso, o que aconteceu com Eternos e Shang-Chi?? Nenhum dos dois longas foi exatamente um arrasa-quarteirão, como os filmes anteriores foram. O sucesso não chegou nem perto do que Guardiões da Galáxia alcançou em 2014.

Mas também precisamos ser justos e reconhecer que a pandemia mudou o cenário. Shang-Chi (US$ 423 mi) estreou em agosto de 2021 e foi prejudicado principalmente pelo medo da covid, mas ainda houveram fatores adicionais que agravaram sua situação, como a ausência do mercado chinês na bilheteria e o fato do herói e do elenco serem desconhecidos do grande público.

Eternos estreou em novembro (US$ 401 mi), quando o medo do público contrair covid já havia diminuído mais, tanto que o novo 007 e Venom 2 estrearam no mês anterior e conseguiram um bom desempenho nas bilheterias, mostrando que o medo da covid já não era um fator tão decisivo assim na hora de ir ao cinema.

Sem falar que ao contrário de Shang-Chi, Eternos tem rostos muito conhecidos no elenco e isso foi um fator que ajudou a trazer público em vários filmes da Marvel por darem um ar mais respeitável àquelas obras, como aconteceu em Homem de Ferro (Robert Downey Jr. Gwyneth Paltrow e Jeff Bridges), Homem de Ferro 2 (Scarlett Johnasson) Thor (Natalie Portman, Anthony Hopkins, Idris Elba) e Capitão América (Tommy Lee Jones, Hugo Weaving, Stanley Tucci), por exemplo. Isso não funcionou com Eternos, que pode ser considerado o primeiro fracasso da Marvel. Talvez em outra franquia US$ 401 mi fosse um bom valor, mas estamos falando da Marvel. Eternos não só se saiu pior do que os dois blockbusters que vieram antes dele (007 e Venom), como também arrecadou menos do que Shang-Chi, que enfrentou circunstâncias mais adversas quando esteve em cartaz. Nem os críticos gostaram tanto também.

 

Vencedor: Rachel Zegler

Além de protagonizar Amor, Sublime Amor, a refilmagem de Stephen Spielberg do clássico de 1961, que vai chamar muita atenção no Oscar deste ano. Rachel também foi escolhida para ser a nova Branca de Neve no live-action da Disney.

 

Perdedor: Esquadrão Suicida

O Esquadrão Suicida de James Gunn é um filme divertidíssimo, mas não fez o sucesso comercial que merecia. Nos cinemas arrecadou apenas US$ 167 mi. Tudo bem que foi lançado simultaneamente no HBO Max e isso prejudicou a arrecadação, mas é fato que o filme não recebeu a atenção que merecia do grande público.

Isso se deve em parte por causa da pandemia, mas também ao fato de que Esquadrão Suicida, em termos de marca, está ligado àquele desastre de 2016. A reputação ruim do filme de David Ayer, mais o fato de que o público *agou e andou para Aves de Rapina prejudicaram qualquer chance deste novo filme fazer sucesso, mesmo sendo um filme muito superior a esses dois.

 

Vencedor: Regé-Jean Page

Regé-Jean Page chegou de mansinho, estreou discretamente em Bridgerton, drama de época que a Shonda Rimes fez para a Netflix. A série estreou em dezembro de 2020, mas explodiu mesmo em janeiro de 2021. Daí em diante, ele virou sensação entre o público feminino, o que o ajudou a impulsionar sua carreira. Ainda neste ano, ele gravou The Gray Man, dos irmãos Russo e também entrou para o elenco de Dungeons & Dragons.

 

Close